Formada por 2.900 habitantes, a cidade de Arroio do Padre, no Rio Grande do Sul, tem uma população de 85,8% evangélicos, segundo o Censo realizado em 2010

 

Quem chega à cidade de Arroio do Padre, no Rio Grande do Sul, imagina que se trata de uma região liderada por sacerdotes católicos. No entanto, a realidade é bem diferente — esse é o município brasileiro com maior número de evangélicos.

Segundo o Censo realizado em 2010, 85,8% da população de 2.900 habitantes se declarou evangélica em Arroio do Padre, em paralelo a 7,7% de católicos, 4,7% sem religião e menos de 1% de espíritas e de testemunhas de Jeová.

Mas os moradores da cidade gaúcha, localizada a 200 km de Porto Alegre, não são adeptos do crescente neopentecostalismo brasileiro. Descendentes de imigrantes alemães, a população arroio-padrense professa a fé luterana, derivada da Reforma Protestante que foi desencadeada pelo ex-monge germânico Martinho Lutero.

Segundo o pastor Michael Kuff, de 32 anos, que há seis meses comanda uma Igreja Luterana vizinha à sua casa, um erro de muitas igrejas é usar a fé como “moeda de troca”, como se Deus fosse “obrigado a me abençoar”. “Hoje é um problema falar no banco que você é pastor. O gerente acha que você é ladrão”, disse ele à Folha de São Paulo.

Por outro lado, o pastor luterano Aroldo Agner, de 46 anos, vê um ponto comum entre os diferentes segmentos evangélicos — o conceito de família descrito pela Bíblia. “Se há [gay na cidade], não tenho conhecimento. Talvez em Pelotas tenha”, disse ele sobre o município vizinho do qual Arroio do Padre se emancipou em 1996.

Os princípios religiosos dos moradores da cidade se refletem até mesmo nas escolhas políticas. Na eleição de 2006, Arroio deu a Lula sua menor votação proporcional no país (11,5% contra 81,5% do tucano Geraldo Alckmin).

“Esta situação com a esquerda se complicou bastante. Em função da religiosidade aqui, complica [o apoio] a essa ala”, justifica o secretário de administração local, Loutar Prieb. “A ideia esquerdista não é muito bem-aceita pelos que são de origem [alemã]”, explica o pastor Agner.

Enquanto maior parte da cidade faz parte de uma igreja evangélica, a maioria dos cristãos não enxergam problemas em práticas como o consumo de cerveja —  algo que é encarado como tradição na cultura alemã.

“Somos uma comunidade que consome muita cerveja”, ressalta o prefeito do município, Leonir Baschi (DEM), com uma ressalva: “É muito difícil encontrar alguém bêbado, fazendo escândalo”.

Mas nem todos concordam com práticas como essa. “Não basta ser cristão de fim de semana dentro de uma igreja e depois fora, ou na atividade pública, deixar isso de lado e se tornar contraditório entre o que se pretende ser e o que se pratica”, destaca Prieb. Talvez, alguns hábitos precisem passar por uma nova reforma.

 

fonte:  Guia-me / com informações de Folha de São Paulo | 31/10/2017 – 15:30

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *